Retirada de galinhas-d'angola de residencial gera polêmica

Retirada de galinhas-d'angola de residencial gera polêmica

 

Local usava aves contra escorpiões, mas foi notificado pela prefeitura

A intenção era das melhores, mas esbarrou em uma legislação que proíbe a criação de animais em área urbana. O Villaggio 3, em Bauru, que utilizava, há dois meses, seis galinhas-d'angola para combater os escorpiões, teve de retirá-las nessa quinta-feira (4), após ser notificado pelo município, e o caso gerou polêmica. Recentemente, o JC noticiou que outros condomínios também aderiram à prática.

Segundo o síndico do Villaggio 3, José Luiz Caracho, a maioria dos moradores do local decidiu, em assembleia, a adoção deste "reforço" contra os escorpiões, cujo veneno pode levar à morte.

Tal método é considerado eficaz, porque as galinhas são predadoras naturais destes animais peçonhentos. Por isso, muita gente ficou indignada com a retirada das aves, feita pela própria administração do empreendimento.

Entretanto, Caracho argumenta que a ação foi tomada por precaução. "Houve uma denúncia anônima e a prefeitura nos notificou. Ingressamos com recurso, que foi indeferido, porém, pretendemos recorrer de novo. Enquanto isso, levamos as aves para a fazenda na qual foram adquiridas, que pertence a uma moradora do Villaggio", revela.

O síndico diz que só trará as galinhas de volta, caso haja permissão do município. Por enquanto, o condomínio pretende dar continuidade às demais ações preventivas, como dedetização a cada três meses.

PROIBIÇÃO

Questionada sobre a polêmica, a assessoria de comunicação da Prefeitura de Bauru esclarece que a criação de galinhas-d'angola atrai o mosquito causador da leishmaniose e, portanto, é proibida em municípios onde há casos da doença, como previsto em legislação estadual.

Inclusive, a leishmaniose preocupa. Conforme o JC divulgou, depois de mais de três anos, a cidade voltou a registrar uma morte provocada por esta condição.

Trata-se de um homem de 42 anos, morador da região do Jardim Araruna, que faleceu no dia 8 de janeiro. O diagnóstico da vítima foi notificado em 31 de dezembro do ano passado. O último óbito de ser humano por conta da doença, em Bauru, havia sido registrado no ano de 2014.

Matéria originalmente publicada em JC Net

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!




  • A-
  • A+
Enquete

Nos 17 anos do Jornal dos Condomínios, gostaríamos de saber: quem é você, usuário do portal?

Sou síndíco morador - 28%
Sou síndico profissional - 10.6%
Trabalho em empresa administradora de condomínios - 9.9%
Trabalho em um escritório de contabilidade - 4.6%
Pretendo ser síndico profissional - 11%
Não tenho ligação, mas sou morador e quero ter uma participação mais ativa no condomínio - 17.7%
Outros profissionais do setor - 17%

Total votos: 282
A votação para esta enquete foi encerrada em: Setembro 18, 2018
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2018-10-15 13:32:37' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2018-10-15 13:32:37' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora